Daniel Luzzi

A tecnologia é só parte da solução!

robot-character-with-mobile-1

Entendo que o verdadeiro desafio na educação não são as tecnologias mas o desenvolvimento de modelos pedagógicos que mudem o modelo tradicional de ensino e aprendizagem e gerem novas dinâmicas para alcançar novos resultados de aprendizagem.

A UNESCO, desde 2005, vem alertando sobre o determinismo tecnológico na educação:

“esta forte concepção tecnológica é acompanhada de uma escassa reflexão acerca das metodologias utilizadas. Desta forma, está se reproduzindo o modelo de ensino tradicional utilizando-se novas tecnologias de informação e comunicação”

Nesse paradigma, a tecnologia deixou de ser um “meio” para se tornar um fim em si mesma. Numerosos pesquisadores tem alertado que o problema se situa na mera aquisição de tecnologias para o simples repasse de conteúdos por um meio diferente, sem alterar a forma de relacionamento com o aluno, com o conhecimento e com a sociedade.

Na educação a distância, por exemplo, as ferramentas tecnológicas passaram a ser a finalidade, sendo esquecidas muitas vezes as dimensões educativas (pedagógicas, didáticas, culturais) e as comunicacionais (linguagem, metalinguagem, mídias, códigos), bem como os sujeitos educativos (características e necessidades das pessoas). Entende-se que, com um designer gráfico, com um conteúdo e com uma boa ferramenta tecnológica, o ensino a distância está resolvido.

Raramente, as propostas de trabalho pedagógico que exploram as novas tecnologias superam o modelo tradicional do ensino. Coloca-se em um sistema avançado de comunicação a forma tradicional do professor ministrar aulas expositivas. A diferença se limita ao veículo de mediação. 

Na sociedade das novas tecnologias, confunde-se informação com conhecimento, e continua se perpetuando, agora com tecnologia de vanguarda, o modelo enciclopedista do Iluminismo francês. Os cidadãos, paradoxalmente, estão cada vez mais informados, mas cada vez com maior dificuldade para expressar um ponto de vista sobre a informação recebida.

Não estou criticando as tecnologias, mas sim o uso que é feito delas. As novas tecnologias, quando bem aplicadas ao ensino, podem oferecer importantes avanços: têm potencial para ativar a participação do receptor das mensagens nos processos instrutivos; reduzir o nível de abstração dos novos conhecimentos; facilitar a memorização conceitual e a aplicação do que foi aprendido na resolução de problemas reais ou simulados, entre outros. Mas é preciso ter em conta que o uso das novas tecnologias de comunicação e informação não são um recurso inapelavelmente eficaz para a aprendizagem.

Torna-se, portanto, necessário integrar as novas tecnologias em programas educativos bem fundamentados, fazendo uso pedagógico destas ferramentas. Afinal, são as metas, os objetivos, os conteúdos e as metodologias que permitem dar um sentido educativo aos programas baseados em tecnologias, e não o contrário, como, via de regra, observa-se na maioria das experiências analisadas.

Sem duvida alguma a tecnologia pode nos ajudar a enfrentar este mundo global e complexo mas sem mudar os processos, sem mudar as visões da realidade não vejo possibilidade nenhuma de mudanças.

É necessário repensar o modelo educativo como um todo, questionando as coisas que são dadas como certas, como o modelo conteudista que, chama por revisão. Os alunos deste futuro necessitam muito mais do que informações e técnicas repetitivas. Há necessidade de desenvolver estilos de pensamento meta-cognitivos, complexos, abertos às incertezas e às mudanças constantes, para dar conta de um mundo em constante transformação.

Necessitam aprender a aprender, e aprender a pensar. Para isso, a educação deverá avançar para além da dimensão do conteúdo focado nas diversas disciplinas, enquanto objeto de estudo, e abordar a dimensão pedagógica do processo de ensino.

Por isso acredito que o grande desafio está em conceber uma proposta didático-pedagógica que se apóie nos meios tecnológicos e os transcenda, superando as visões dos tecnólogos educativos. 

(Artigo publicado originalmente em 10 de julho de 2016 no Linkedin)

Daniel Luzzi

Daniel Luzzi

Head of Education: Cognita Learning Lab • Prof. Fundação Dom Cabral • Doutor em Educação USP

Veja também

Multitarefa

Multitarefa, superpoder ou mito? 

Ser multitarefa está na moda, considerar-se super eficiente é como sentir um super poder que as pessoas acham que possuem para lidar com as múltiplas

Educação Inteligente

Em um mundo onde as mudanças são contínuas e acontecem a uma velocidade vertiginosa, necessitamos construir uma educação inteligente, uma educação que comece questionando o

A Transformação digital do Onboarding

A dor do crescimento tem solução: onboarding digital. Como dobrar de tamanho rapidamente? Como lidar com uma alta rotatividade de forma ágil?

Send Us A Message

Onboarding digital escalável

A integração dos novos colaboradores sempre foi importante: contribuindo com a retenção de talentos, alinhamento com a visão e valores da organização e aumento da produtividade.
Hoje, num contexto de aquecimento do mercado e aumento de turnover, o onboarding é considerado prioritário e estratégico, sendo um indicador de quão rápido a empresa consegue compor e repor seu time para não afetar a operação; ou para ganhar escala, aproveitando oportunidades de negócios.
A Cognita desenha, implementa e operacionaliza Programas de Onboarding, integrando tanto a dimensão institucional como técnica numa jornada digital, escalável e personalizada, com sequências adaptativas que vão alterando o trajeto dos novos colaboradores em função da área da empresa na qual estão se incorporando e o papel que ocuparão nela.
(Case Onboarding Take Blip)